domingo, 9 de janeiro de 2011

Falando de Estória

maquina

Estórias são escritas em cartões e usadas no planejamento, porém esclareço que são estórias curtas com algumas informações. A equipe utiliza o diálogo com o cliente para conhecer os detalhes de cada estória. Assim, o registro da estória é feito no cartão e serve como lembrete do diálogo entre equipe e cliente. Esse registro envolve o trabalho em conjunto do cliente e equipe.

Um conjunto de cartões de estórias para desenvolvedor o produto do cliente é a famosa lista de requisitos. A tendência é que com o passar das iterações, as estórias de prioridade baixa sejam descartadas, pois geralmente não são utilizadas. Isso é uma vantagem do desenvolvimento iterativo e incremental, saber a cada iteração a satisfação do cliente em relação ao que foi desenvolvido do produto. Por exemplo, depois de dez iterações o cliente fica satisfeito com produto desenvolvido, porque o produto irá suprir suas necessidades. Automaticamente as estórias não desenvolvidas são descartadas.

No planejamento, a equipe estima cada estória e coloca o valor da estimativa no cartão. Com base na velocidade de desenvolvimento da iteração anterior ou utilizando cálculo de fator de foco para estimativa de velocidade, a equipe fornece um orçamento para o cliente e mostra a quantidade de estórias que poderão ser desenvolvidas na iteração que se inicia. O cliente sabendo da estimativa para iteração prioriza as estórias que em conjunto possam gerar valor ao final da iteração.

Exemplo de cartão de estória:

estorias

Fonte:

” Livro Scrum e XP direto das Trincheiras” by Henrik Kniberg

http://www.infoq.com/br/minibooks/scrum-xp-from-the-trenches

“Extreme Programming” by Vinícius Manhães Teles

http://improveit.com.br/xp

Ta-ta fo now

2 comentários: